quarta-feira, 21 de setembro de 2011

A pré-história da América e do Brasil (art 01)

Falar de uma migração continental ou simplesmente da diáspora humana pelo globo terrestre abre mil e uma hipóteses e possibilidades. Poderíamos talvez acertar o foco, a localização, e errar o itinerário. No âmbito da pré historia tudo é entregue nas mãos ricas e nobres dos arqueólogos, para que dentro de pesquisas repletas de escavações, as coisas venham a de fato ocorrer. Estamos apresentando este espaço, e ao mesmo tempo fixando a proposta com a expansão humana pela América. Uma forma de driblarmos os assuntos mais rotineiros da pré história, dando uma ênfase maior a nossa pré história, ao nosso início de mundo, ao nosso contexto, e ao nosso tudo. Temos a tendência a fixar a história desta expansão pela saída do homem da África para a Ásia e Europa, e dentro desta ideia (ou hipótese) a chegada na America através da Beríngia (estreito de Bering). Mas sabemos que os traços culturais e étnicos de nossa civilização obedecem, e seguem, não só a mongolização do continente (traços asiáticos de olhos e crânios) como também os tipos “negróides” que por aqui (especialmente na America Meridional) ainda existem. Na verdade nossa civilização Sul-americana está dentro das duas ideias de expansão. Enfim esta é a América que queremos descobrir. Esta é a América que poderemos discutir, essa é a América que passará nestas efêmeras linhas pela civilização de Clóvis, pelo povo de Lagoa Santa, pelas civilizações mexicanas e peruanas, enfim esta é a América que queremos apresentar. 

Sempre que buscamos informações sobre nosso passado, tudo nos aponta que nossa história começou com a invasão portuguesa. Mas nossos brasis já ocupavam essas terras muito antes da chegada lusitana. Quem foram seus ancestrais? Bem, o povoamento do Brasil, ocorreu no fim da última glaciação, por uma população formada por caçadores coletores, que viviam em acampamentos sazonais, possuíam armas líticas simples e praticavam arte rupestre. Em 1840 o paleontólogo Peter Lund encontrou fósseis humanos em cavernas na região de Lagoa Santa, município mineiro, que deu nome ao povo e ao sítio arqueológico. Em 1975 nesta mesma região foi encontrado o fóssil humano mais antigo das Américas, em análises descobriu-se que o crânio pertencia a uma mulher, e recebeu o nome de Luzia. Luzia tinha aproximadamente 1,50m de altura, sua morfologia negróide era semelhante aos aborígines da Oceania, e nativos da África; morreu jovem, entre 20 e 30 anos. Esta descoberta nos leva a crer que o povo de Lagoa Santa pertence a uma primeira leva de humanos mais antiga, que talvez tenha chegado aqui aproximadamente à 15/14 mil anos, vindos da África, parando uma temporada em Madagascar e posteriormente seguindo para a Oceania, e chegando ao nosso continente. O povo de Lagoa Santa coexistiu com os paleoíndios, dando-se um encontro há seis mil anos, onde o povo de Luzia desapareceu. Esta segunda leva de humanos, com características dos índios atuais, ocupou toda a faixa litorânea e o Planalto Central. Dentro deste nosso rápido comentário, podemos discorrer de forma mais ou menos prolixa, para a atenção aos detalhes de tais pesquisas, direcionadas para a ocupação deste nosso nada “novo mundo”. A teoria de Florentino Ameghino, famoso paleontólogo, é que o homem americano teria se desenvolvido na América. 

Ele afirma que, a possibilidade de nossa civilização ter iniciado por aqui é mesmo grande devido a seus achados relacionados a ossos, fogueiras, pontas de flechas e lanças, porém sua tese atualmente é descartada, pela falta de mais provas, como também pelo desconhecimento da técnica de datação com carbono 14, na época de suas descobertas. Outra teoria é de Alis Hardilick ou teoria mongólica, onde o homem teria migrado para o continente americano há aproximadamente 15.000 anos, através do estreito de Bering (conforme já vimos na introdução deste texto). Essa teoria é debatida e contestada pelos historiadores que afirmam a múltipla migração. Para essa tese o homem teria vindo não só da África (via Ásia e Mongólia) como também diretamente da áfrica com paradas na Oceania. Isso de certa forma explicaria nossa pluralidade de traços, serem tanto Mongóis (característica da cor da pele e formato dos olhos) como negróides (semelhantes aos aborígenes australianos). Porém uma das comprovações de maior impacto e repercussão (que corroboram com a tese do estreito de Bering) está no trabalho científico de geneticistas brasileiros que afirmam o grau de parentesco entre tribos de seis países americanos (Brasil, Peru, Argentina, Colômbia, México e Estados Unidos).  Como podemos ver temos várias possibilidades, e uma gama muito grande de estudos ainda sendo desenvolvidos. Quando falamos de pré-história, trabalhamos sempre na base de hipóteses, e quando a pré-história fica afunilada para o estudo do nosso continente, as hipóteses são mais amplas devido ao menor tempo de estudo desta parte do mundo. Ainda podemos afirmar que a teoria de Clóvis (embora todas as teses contrárias) é se não a mais correta, a mais popular dentre elas. Para constar: O nome Clóvis vem de um sítio arqueológico no Novo México, Oeste dos EUA, por muito tempo considerado o mais antigo nas Américas, com datação entre 11 mil e 11,5 mil anos atrás. Este artigo tem não só o interesse de expor o nosso trabalho de estudo, como também deixar em aberto uma miríade de possibilidades de complementações, discussões, ideias e embates a respeito do assunto. Estudar a pré-história de nosso continente. Desenvolver teses a respeito. Criar a possibilidade de defesas em cima de todas as possibilidades. Enfim, temos o objetivo de convidar a todos os leitores, e seguidores, a embarcarem juntos nessa caminhada. Este é o primeiro artigo de vários. Este é o primeiro de muitos estudos.





7 comentários:

  1. Olá colegas, estou triste...ninguém comentou o artigo!
    Vamos comentar e divulgar!

    ResponderExcluir
  2. Referente a pré história,sabemos que tudo é focalizado em cima de teses e hipóteses.O homem realmente tem uma origem,surgiu em algum lugar. Definir qual a hipótese eu concordaria? Não saberia responder, pois todas elas creio que sejam significativas.
    Para os arqueólogos esse período é um vasto campo de estudos. Boa sorte a eles.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo ponto de vista, em minha opinião o Homem desde sempre foi um buscador por novas terras e novos desafios e isso corrobora com as várias teorias que se tem feito sobre o povoamento dos continentes. Gosto muito de acompanhar o que aconteceu na Ilha de Páscoa, onde podemos acompanhar um pouco desse espirito desbravador e colonizador do Homem, estive no Museu Fonck no Chile e fiquei fascinado com história dessa pequena ilha.

    ResponderExcluir
  4. a pré-história nos remete para as hipóteses e possibilidades de ocupação. infelizmente é um campo pouco aprofundado pelas dificuldades em análises e interpretação. todo o material, bem como os processos de datação são caros. mas de qualquer forma existe todo um encanto que permeia essa parte da história.

    ResponderExcluir
  5. achei este site muito bom! cheguei nele ao procular informações sobre objetos pré-historicos, pois achei uma pedra lascada que acredito que seja uma ponta de flexa.

    ResponderExcluir
  6. Bem, Thor Heyerdahl comprovou a possibilidade de que levas de povos oriundas das ilhas do Pacífico terem migrado para a Américahá milênios. Não podemos nos esquecer das provas levantadas por Nièdé Guidon da ocupação do NE brasileiro em épocas anteriores as propostas por outros estudiosos. Enfim,os estudos estão colocando à mostra novas possibilidades, motivo pelo qual, penso eu, não podemos ser categóricos quanto as presentes teorias (por isso mesmo denominadas hipóteses ou teorias)
    José Luiz

    ResponderExcluir

Sinta-se em casa, comente e expresse suas posições. Sua opinião é muito importante para nós! vamos construir a historia com a troca de idéias.